terça-feira, 17 de abril de 2018

Bath: 10 atrações para curtir a cidade

Bath
Somente a duas horinhas de trem de Londres, Bath é um ótimo refúgio de fim de semana, para escapar do burburinho da capital. Com 85 mil habitantes, essa pequena cidade é um ícone da arquitetura georgiana no Reino Unido. Além de abrigar uma das termas romanas mais bem preservadas do mundo. Adoraria desaparecer por aqui por longas semanas, com uma coleção de livros de Austen, – a moradora mais proeminente por essas bandas–, e um vale spa diário. Mas para quem só tem um curto final de semana, aqui estão as principais atrações. 

1. Termas Romanas 

termas romanas em Bath

Os romanos construíram de modo bastante ostensivo um enorme spa sobre as três fontes de águas termais que banham a cidade. Circundada por prédios do século 18 e 19, a piscina e fonte central tem um baita visual. O complexo foi erguido perto do antigo templo da Deusa Minerva (desculpa, não consigo parar de pensar em nome ruim de sabão em pó) e é um dos mais bem preservados pelo mundo. Todos os dias, 1,5 milhões de litros de água (a 46 graus célsius) brotam na piscina! Há também um museu com objetos achados nas escavações e a antiga estrutura da sauna, salas de massagem e piscina fria. Na saída, não deixe de tomar a água quentinha da bica. Nos tempos da rainha Victoria acreditava-se que era medicinal e curava tudo. Como ainda estou viva, afirmo que mal não faz. 

2. Thermae Bath Spa 


As termas históricas são lindíssimas, mas não rola dar um tibum não. Para mergulhar nessas águas medicinais é preciso ir ao moderninho spa Thermae Bath, praticamente do lado. A fama aqui quem leva é a piscina a céu aberto com água quentinha e cheia de minerais. E, de quebra, com vista para a cidade. Mas não se decepcione com a quantidade de gente. É cheio. Muito cheio. E caro. Aos finais de semana, custa 40 libras por míseras duas horas. O ingresso dá acesso à sauna e duas piscinas a sua escolha. Só para dar uma dimensão, na incrível Széchenyi, em Budapeste, o valor para o dia inteiro é 18 euros! Paciência. A Inglaterra não é lá muito conhecida pelos seus preços camaradas anyway. Abrace o diabo!

3. Catedral de Bath

Bath catedral

Construída entre 1499 e 1616, a edificação domina a paisagem do centro histórico.  Foi uma das últimas igrejas medievais construídas na Inglaterra. Olhe para os estranhos anjos escalando as paredes a lá assassin’s creed. O tour da torre é  legal pela vista da cidade. Veja essa foto em 360 por dentro do templo. Viciada no App de fotografia do google street view!




4. Centro Jane Austen 

Centro Jane Austen
Bath é retratada em dois romances de Jane Austen – Persuasão e a Abadia de Northanger. A escritora também morou na cidade de 1801 a 1806. O centro em homenagem a romancista explora sua relação com a urbe, além de algumas curiosidades biográficas. Há bastante texto, mas dá para gargalhar um pouco vestindo roupas de época. Para quem curte literatura, há um post só sobre Austen e Bath aqui. 

5. Royal Crescent e The Circus

Royal Crescent
Uma das marcas de Bath é a arquitetura georgiana. Um dos melhores exemplos é esse terraço semicircular de casas, conhecido como Royal Crescent. Construídas de 1767 a 1775, as residências são idênticas por fora, mas os proprietários tinham autorização para alterá-las internamente. Assim, só as fachadas são mesmo iguais. Uma pernadinha a frente fica também o The Circus: 33 casas divididas em três terraços semicirculares. Outra belezinha georgiana é a casa do século 18 no Georgian Gardens. As duas atrações estão aí embaixo em 360! Não disse que viciei? rs!

6. Abocanhar um Bun

Massa de Bun
Bem famosos na cidade, os buns – uma mistura de brioche com scones –  são bem populares. Parece a metade de um pão de hambúrguer. Dependendo se você pedir com doce ou salgado, ganhará a parte de cima ou de baixo. O lugar ideal para experimentá-lo é no Sally Lunn’s, o mais antigo estabelecimento que produz a receita. Além de chás servidos em porcelanas chinesas, a casa mantém um mini museu com lojinha no andar subterrâneo. Geleias, chás, buns embalados para presente entre outros mimos à venda. 

7. Café Colonna & Smalls

Cafe Colonna & Small
O estabelecimento tem um jeitão meio hipster (olha só os baristas), mas tem lá seu charme e não é caro. A casa serve expressos e filtrados (sim) com um rigor assustador. Café moído na hora, termômetro para medir a temperatura da água, uma engenhoca para os filtrados que funciona como uma cafeteira moca. Parece um laboratório do café. Seria perfeito se eles escaldassem a xícara e minha bebida não chegasse morna, mas está valendo.  

8. The Star Inn

PUB The Star Inn, Bath
Não existe post, matéria, reportagem, dicas de  alguma cidade inglesa que não contenha um PUB, certo? Este aqui ainda tem alguns resquícios do século 19 e serve as “ales” locais. Há vários salões, com livros lareiras e jornais. Perto do banheiro, até a Rainha Elizabeth segura uma pint. Como em muitos pubs, há os bizarros ovos curtidos. Experimente, nem que seja para voltar às termas romanas e se curar com as águas medicinais. Tudo pela experiência. 

9. Green Park Market 

Ovos de Ganso no Green Park Market
Esse mercado aos sábados (das 9h às 16h) tem um monte de comidas típicas – frios, queijos, as famosas tortas inglesas (o que salva a culinária local, vamos combinar), produtos naturais e ovos de ganso tamanho gigante. Sou de São Paulo, nunca tinha visto um ovo dessa dimensão. Há também algumas opções de roupas, livros e souvenires. No local, uma loja de discos também atrai atenção dos que passeiam no mercado. Entre tantos achados, um LP brasileiro dos Beatles (Os reis do IÉ, IÉ, IÉ) e um original do Oasis por 200 pilas! 

10. A ponte Pulteney Bridge

Ponte Pulteney
Curvada sobre o rio Avon, essa ponte é de 1769. Há quem lembre dela do filme Les Miserales, de 2012, na cena do suicídio de Javert. Um passeio pelas bucólicas margens do rio até a construção é bastante agradável. Outro diferencial são as lojinhas na ponte. Isso mesmo, ela é uma das poucas no mundo que comportam casas e comércio sobre o arco. Outros exemplos são a Krämerbrücke, na pacata Erfurt, a ponte Vecchio em Florença ou a Rialto em Veneza.  

2 comentários:

Daniela Norcia disse...

Quando leio o texto de algumas pessoas, escuto a voz delas no meu ouvido e vejo nítido as expressões da pessoa. É assim que me sinto com o seus relatos. É como se você estivesse em minha frente contando uma história como nos tempos de faculdade em que batíamos longos papos no trânsito de SP e nos bares da Cardoso. Estou muito feliz de ter te (re) encontrado. O carinho é enorme... é como se não tivesse passado tanto tempo. Parabéns pelo blog. E por ser uma amiga tão querida! Ih! Eu, boba, já fiquei com os olhos cheios de lágrimas! Beijinho, Dani

Regina Cazzamatta disse...

Obrigada, Dani!!! Estou na torcida para trazer todos os amigos pra esse lado do Atlântico. E não deixá-los mais retornar! rs :) Vamos achar nosso Cardosinho por aqui..... E continuar as longas polêmicas mundo afora! :) beijão

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...