sexta-feira, 11 de outubro de 2013

A Festa da Cebola!


Nos tempos em que morava em Berlim, acho que seria capaz de romper em risos caso alguém me convidasse para a Festa da Cebola! É! A vida nos reserva cada surpresa. Foi da boêmia dos bares de Friedrichshain, Kreuzberg e Prenzlauerberg direto para Weimar que venho por meio desta promover nada mais nada menos que o Zwiebelmarkt, com um nome bem menos glamouroso após passar pela tradução: sim, a consagrada Festa da Cebola, sempre no segundo final de semana de outubro!  

Pior é que a bendita comemoração tem tudo de mais provinciano possível. Sabe aquela coisa da rainha da cebola, tipo miss da festa do caqui, a rainha do baile de formatura americano ou a princesa de Paranapiacaba? Mas já que tudo aqui pelas Europa tem um quê de tradição, vamos tentar levantar a auto- estima da festança de três dias, quase uma badalada rave da Turíngia. E Goethe quem o diga! Aqui não é só a cidade do berço do classicismo alemão e da criativa Bauhaus não!
A primeira menção à festa remete ao ano de 1653. Já ao longo do século 19, o evento já tinha se tornado conhecido por toda a região. Uma comemoração popular que se manteve desde os tempos da Idade Média. Era uma espécie de celebração à colheita, quando as pessoas das cidadezinhas e vilarejos abasteciam a despensa para a chegada do inverno. Mesmo os anfitriões mais conhecidos da região aderiam à febre. Goethe não só divulgava os benefícios da cebola, como também enfeitava sua casa com as guirlandas coloridas. Quem visitar hoje o aconchego de seu antigo lar, um museu na Frauenplan, verá uma versão seca do ornamento. Já durante os tempos da Alemanha oriental, a festa ganhou uma nova roupagem, tipo um marketing às avessas para celebrar a colheita dos comunas.  
Pelo menos 350 mil visitantes entupirão o pequeno e charmoso centro de Weimar para comprar os penduricalhos de cebolas, degustar quiches, tortas e iguarias do legume e ainda de quebra bebericar alguma coisa. Para quem não pode com cheiro, sabor ou formato cebolóide, há ainda barraquinhas com artesanatos, roupas, lenços e coisinhas diferentes. Vale o passeio para ver a movimentação na cidade, encontrar o vizinho, fazer umas fotinhos... Pior, acabei de descobrir que existe um livro inteirinho só contando curiosidades sobre a festa. Sim, não consigo parar de repetir: festa da cebola, festa da cebola, festa da cebola! Ainda bem que não é do caqui, senão meus olhos não lacrimejariam de tanta emoção! 

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...