segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Estranho mundo dos negócios


Chegar em Frankfurt durante a feira do livro pode ser um pouco estressante. O evento todo dá uma boa chacoalhada na cidade. São 280 mil visitantes, 9 mil jornalistas de 61 países, além de editoras, tradutores, autores, designers, ilustradores e agentes. Para quem fala alemão, há uma programação enorme, gravações de programas, leituras, apresentações de novos textos literários e  por aí vai. Este ano, no pavilhão de viagem, as discussões sobre blogs de turismo e conteúdos para aplicativos renderam boas discussões. Foi por ali que vi pessoalmente, pela primeira vez, o Cohn Bendit, líder estudantil de 68 e hoje presidente do Partido Verde no Parlamento Alemão. Lá estava ele, polêmico como sempre, falando  do seu novo livro “Para a Europa” (Für Europa). Aliás, ele até declarou em rede nacional que se aposentará no ano que vem e irá ao Brasil gravar um documentário de como nós, brasileiros, vivenciamos a copa do mundo! Esta eu quero ver.
Por enquanto, parece tudo muito legal. Mas a minha descrição não deve corresponder a de um agente literário. Esses sujeitos fazem uma espécie de RP entre editoras para negociar copy rights. Ficam em mesas, espalhadas simetricamente em um galpão gigantesco, longe de todo o murmurinho agitado da feira, recebendo editoras do mundo todo a cada 30 minutos. Tempo para comer? Coisa de  30 minutos, se o coitado tiver sorte. Ali eles ficam sem luz do sol, das 9h às 18h, cercados por mesas e garrafões de água. Mais ingrato que isso, é ter de apresentar títulos estranhos como um “livro agenda” para anotar os parceiros com que as pessoas dormiram, até com espaços de avaliação para determinadas partes do corpo. Leia-se pernas, bunda e seios! Pois é. Produto de uma editora americana que edita uma porção de coisas rentáveis (ou não) do gênero.
A diferença cultural também é um aspecto a ser levado em conta. As editoras japonesas são bem formais, lhe entregam o cartão de visita com as duas mãos, fazem uma leve reverência com o corpo e mandam uma avalanche de perguntas para a editora que está atrás dos direitos. Legal mesmo é a seriedade do mesmo oriental explicando a narrativa de um determinado mangá com teor erótico. A formalidade é mantida, sem nenhuma piadinha ou risadinhas no canto da boca. Os espanhóis são mais próximos do nosso jeitão. Convidam para um bebericar rápido, prometem mandar o material ao voltar para o país de origem e explicam a correria pré-feira que dificultou a elaboração de um status de venda mais consolidado dos títulos. Nesse espaço, as editoras e seus agentes apresentam seus livros, negociam copy rights e fazem o maior cerimonial do planeta.  São 7.384 expositores que aparecem por lá para cuidar da imagem da empresa e fazer novos contatos. Ao fim do quinto dia, a cara de cansaço e a bolsa embaixo dos olhos dos pobres funcionários é nítida. Mas ainda assim, eles mantém a pose para cuidar da tal imagem. Cada um, cada um.
____________________________________________
Obs.: No próximo ano, o Brasil será homenageado e terá uma grande programação voltada para nossos autores. O país está na moda, ninguém fala mesmo em outra coisa. Bom, assim talvez as pessoas por aqui passem a entender que nossa literatura vai além do Paulo Coelho.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...